sexta-feira, 31 de julho de 2009

A Fé não remove Montanhas

As vendas de livros sobre técnicas de auto-ajuda multiplicam-se. Há soluções para todos os problemas, basta ter fé, vontade e pensamento positivo. Na mesma direção vão as igrejas fundadas, diariamente, por qualquer pessoa, bastando ter uma Bíblia numa mão e uma sacola em outra. O que se espanta é a quantidade de pessoas que querem passar por esse "caminho estreito" e pela "porta apertada" que é o progresso material e o desenvolvimento moral, usando somente a fé e a vontade de poder.
Se os livros são best-sellers e as igrejas estão lotadas, então não podemos negar que as pessoas encontraram o que procuravam.

O que essas pessoas procuram?

Segurança.
Segurança que encontram na fé, num guia e num rebanho.
É uma forma primitiva e infantil de segurança, mas, pelo que observamos, funciona. Assim é o homem inconsciente. Ele tem fé que a fé "remove montanhas", mesmo que a sua não tenha sido capaz de remover um grão de areia. Para ele, entretanto, esta foi a causa do seu sucesso. Os insucessos foram provações. Se faltam, ou lhe são escassos os bens materiais, e, normalmente, o são, a sua fé de ganhar uma fortuna no bicho ou na loteria continuam.
O "pensamento positivo" aliado à "vontade de poder", "o poder do inconsciente", "o poder cósmico da mente", "doença" que ataca de forma mais acentuada pessoas de maior nível intelectual, transformam um homem num deus: só não é rico e feliz quem não quer. E, certamente, o poder da mente deve ter como aliados, técnicas e espertezas. Mas o mais importante é acreditar.
A fé é um elemento comum a todas as classes sociais. Ela tem uma grande vantagem: se a pessoa não consegue os resultados desejados nesta vida, há a certeza do céu e da felicidade eterna. Mas é preciso ter fé!
A fé promove certezas. Nada mais perigoso do que um "homem que tem certezas e um Deus que está no céu", como já disse alguém. Tomado pela "santa ira" ele é capaz das maiores monstruosidades, cujos relatos, diariamente, aqui e agora, entram em nossas lares pelos modernos meios de comunicação.
A fé não remove montanhas, os poderes da mente, na sua maior parte, continuam desconhecidos e sem controle consciente. A fé e o pensamento positivo tem inegavelmente uma grande vantagem: manter o otimismo de pessoas com baixo nível de consciência.
Não é a fé, nem a religião, nem a força do "querer é poder" que promovem a evolução moral e o progresso material da humanidade. Quem promove o desenvolvimento material é o mérito. Mérito que se adquire pelo esforço, pelo estudo, pela pesquisa, pelo trabalho, "suando a camisa", mantendo a mente e o coração abertos ao novo, ao diferente, ao desconhecido em qualquer idade e em qualquer tempo. Nada nos é dado gratuitamente, tudo o que somos e temos é porque assim merecemos.
E o que dizer da evolução moral ?
Será que não percebes que o mundo violento lá fora é fruto da violência presente no interior de cada um de nós ?

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Desreflexões


Observo a foto ao lado. A delicadeza de suas formas, a suavidade de seu desenho, a beleza de certo contraste em suas cores.
Certo pensamento surge nesse instante.
" Vivemos uma vida muito traumática em muitos sentidos. Não paramos para observar as simples coisas que nos cercam. Coisas sem motivos, sem desejos, sem pensamentos, sem fugas, sem medos, sem condenações e comparações. Apenas observar. "
Isso me faz refletir sobre esse mundo de pura competitividade. Canso-me em ouvir as diversas correntes do pensamento, na qual antagonicas se tornam. "O Egoísmo é o que move rumo ao progresso. Sem ele, não teríamos o que hoje temos: Grande desenvolvimento tecnológico e científico".
Isso tem seu sentido, mas como em sociedade vivemos, observo fracasso pela simples razão em existir diferenças econômicas tão gigantescas entre nós, e consequentemente, sofrimento. E isso, creio, não será resolvido sem a seriedade exigida em cada um de nós. Seriedade essa que nos obriga a não sermos tão medíocres, tão desrespeitosos com nosso íntimo, tão violento conosco mesmo, que exterioriza-se nas diversas formas de relacionamentos que a vida nos proporciona.
Veja a planta.
Que apenas é.
Sem pensamentos,
Sem desculpas,
Sem medos.
E é isso que se ensina: Observar.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Carater e Liberdade


O ser humano começa a formar o ego a partir da concepção com as reações e adaptações ao seu meio. O José, o Antônio ou o Artêmio são egos ou personalidades agregadas à unidade de matéria e energia vital formada na concepção (personalidade = "persona" = máscara) que chamamos de corpo e alma(alma = psique). O nosso corpo e a nossa alma são heranças genéticas e sobre as quais, conseqüentemente, não tivemos arbítrio. Não fomos nós que escolhemos o sexo, formato e cor do corpo, capacidade intelectiva e temperamento. Afinal , nem o berço foi escolha nossa. A educação também não foi e não é escolha nossa, pois apenas reagimos ao nosso meio. Na verdade, só poderíamos não nos portarmos apenas como meros repetidores do meio e da educação quando criarmos juízo. O que é juízo? É a capacidade de discernir, escolher e julgar . Ter juízo é ter consciência, é ter a capacidade de avaliar todas as causas e conseqüências.

Quem é capaz de?

A nossa consciência sempre é parcial e por isso nossos julgamentos não são nem livres, nem justos, nem isentos. Sempre será o nosso universo pessoal que fará a escolha. Por isso deveríamos nos abster de fazer quaisquer julgamentos, enquanto incapazes de ultrapassar tal característica . O caráter é o esqueleto da alma. Nele estão impressas as características pessoais e o destino de cada um. O homem pela educação pode dar-lhe um "polimento" , mas a personalidade é a letra escrita do caráter. Por isso podemos afirmar que não há liberdade no homem, "querer é poder" , "pensamento positivo" e as afirmações de Kierkegaard..."o homem é o que ele escolhe ser"..."a pessoa decide se quer ou não ir adiante"..."a pessoa pode ou não decidir se dará um salto para um estágio mais elevado"... são ilusões. Na verdade, o homem não tem nenhuma cota de liberdade, pois sempre está condicionada ao seu caráter e ao seu nível de consciência. Há certo ditado árabe: "Se Alá predestinou alguém a morrer num determinado lugar, suscitará nele o desejo de viajar até lá". Tudo o que eu sou capaz de fazer e capaz de afirmar reflete o meu universo e não tem aplicação a outros "universos". Eu apenas posso dar o meu testemunho para que os outros "universos" possam perceber as possibilidades que existem. Apenas isso. Eu construo a minha verdade, assim como cada um constrói a sua.

Liberdade


LIBERDADE É......

Estar livre do medo. Liberdade é algo de dentro de sí. É Ser livre. O medo é a base de todos os problemas da existência humana e a ignorância é a causa de todos os medos. Ser livre é estar centrado conscientemente nas forças profundas, naturais e involuntárias que governam a vida. Estar livre da ignorância é encontrar a Liberdade e o Amor.Liberdade é o estado mental em que existe o Amor. Amor que não é o oposto do ódio ou da agressividade; Amor que não é egoísta ou altruísta, mas simplesmente Amor. O Amor não conhece o medo. Liberdade é estar livre dos conceitos de humildade, pobreza, ciúme, apego,escolha, dependência, vontade de poder, vida e morte, direitos e deveres,justiça e injustiça, certo e errado, Deus e Diabo, Bem e Mal, ter e ser,pecado e perdão, culpa e castigo, céu e inferno, felicidade e infelicidade,dor e prazer, fé e esperança e, passado e futuro. Amor é Liberdade... porque tudo é permitido quando é feito com amor.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Assim é a vida


Não há dúvidas que pela educação o ser humano pode ser transformado num autômato. A lavagem cerebral é uma realidade. Veja alguém que foi educado desde criança numa disciplina rígida, freqüentou internatos e depois continuou a vida como religioso, como militar ou outra atividade hierarquicamente estruturada e que tem a disciplina como base. Este homem é um robô , e, quase sempre, irá morrer como tal. Ele não chegou a perceber quem ele é. Para ele querer é poder, o homem é o que ele escolhe ser, e etc. Ele não chegou a despertar. A atenção e a observação mostra-nos facetas muito interessantes da vida.Observem as autoridades. Civis, militares, eclesiásticas...Elas não são elas mesmas. Elas colocaram uma máscara e se transformaram na própria máscara. Elas agem e falam como alguém que incorporou uma entidade. Elas representam, são atores. O Prefeito, o Governador, o Presidente, o Padre, o Bispo, o Papa. Eles não são eles mesmos. Eles aprenderam a incorporar o papel daquela autoridade. Eles esforçam-se ao máximo para representar bem a imagem da autoridade de que eles estão investidos. Nas autoridades nós percebemos isto com bastante clareza . Há entretanto um aspecto fundamental que é a consciência. Se a pessoa não tem consciência, se é apenas uma máquina de efeitos condicionados, ela não perceberá que está apenas representando. Mas não são só as autoridades que representam. Todos nós, enquanto egos, representamos o tempo todo.Steven Pinker, Diretor do Centro de Neurociência Cognitiva do MIT, em entrevista na revista Veja de 13/01/99, afirmou que "estudos mais recentes mostram, no entanto, que cerca de 50% das variações de personalidade tem causas genéticas. ... A surpresa está aí: Não mais do que 5% da personalidade de uma criança é determinada pelo tipo de educação que ela recebe. Assim as outras crianças, ou "pares", são em vários aspectos mais importantes na formação de um jovem do que os pais. A influência na linguagem é a mais evidente: as crianças utilizam o vocabulário de seus colegas e amigos, não o da mamãe". Estas afirmações não são novidades para os pais que acompanham com atenção o desenvolvimento da educação dos seus filhos. Isto é, pais que permitem que as potencialidades dos seus filhos se desenvolvam naturalmente e que procuram encontrar um equilíbrio entre disciplina e liberdade.A educação e a convivência social tem a função de manter um controle sobre os instintos e auxiliar no desenvolvimento das potencialidades individuais.A educação tem a função de desenvolver a personalidade com dedicação,trabalho e disciplina que impõe limites e mostra caminhos. O autocontrole que é desenvolvido dentro de uma estrutura social hierarquizada, a começar pela família, pela disciplina e pela educação é imprescindível para que a pessoa comece a tomar consciência da sua realidade. A disciplina e a educação são formadas por leis morais e normas de direito a que todo o grupo social se sujeita. Este é o controle que a sociedade mantém para o seu desenvolvimento como um todo e para o desenvolvimento individual. Cada um é julgado por leis que regulam as relações sociais e que, na sua essência,normatizam o grau de liberdade no universo social em que ele vive.As normas, muitas vezes, extrapolam a sua verdadeira finalidade para interferirem na liberdade de ser. Coíbem a manifestação das potencialidades inerentes à natureza individual; proíbem comportamentos que não agridem a convivência social mas são tão somente a negação de valores subjetivos, ou seja, convicções morais e religiosas; propõem reduzir indivíduos totalmente diferentes em sua natureza a um rebanho. Esta violência moral, este julgamento é totalmente condenável.Até a maioridade a responsabilidade de pais e mestres é relativa pois não podemos esquecer a força da herança genética e dos instintos sobre o ser humano. A partir da maioridade toda responsabilidade é individual .A tendência do ser humano é de culpar os outros. Responsabilizar os outros pelas sua infelicidade, pela sua incompetência, pelos seus atos.  Nós somos responsáveis por nós mesmos. E se conseguirmos ver nos nossos erros uma fonte de aprendizado, estaremos despertando. Este é o sentido da vida.Mas o que é liberdade? Viver instintivamente ou de acordo com a sua consciência moral é ser livre? Não, neste caso, o homem é escravo das paixões ou do ego. O que é "ser" livre? A vida vivida com atenção e consciência, aos poucos, nos dá todas as respostas. A fase do "ego" (fase no sentido de uma sucessão de acontecimentos interligados, não num sentido de início, meio e fim, mas num sentido de ampliação de consciência) caracteriza-se pela "vontade de poder"(Nietzsche), o "querer é poder" da sabedoria popular. Nesta fase que se caracteriza pela construção do nosso mundo material observamos que existe uma faixa de liberdade, ou seja, de opções extremamente variáveis que apresentam infinitas possibilidades. É o mundo do "ter", a liberdade de ter.Liberdade enganosa porque prende. As pessoas que ultrapassam o mundo do "ego" e entram no mundo do "espírito"(instinto, voz interior, etc.) percebem que este é o mundo do "ser". Aqui existe a liberdade de ser. É a liberdade de expressar-se sem máscaras, sem condicionamentos psicológicos e viver de acordo com a sua natureza, isto é,ser "ele-mesmo" com as qualidades, defeitos e limitações individuais, tendo consciência deles. Observamos, então, que na liberdade de ser não há escolhas, não há opções, pois a pessoa somente pode ser o que ela é. As máscaras e as escolhas pertencem ao mundo do "ego". O ego deve ser desenvolvido até o seu ponto máximo para que possa ser perdido. O mundo do ter antecede o mundo do ser. Dizem ser o ego passageiro, pois ele morre com o corpo. O ser, alguns dizem, é eterno. 
Assim é a vida.